Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Corumbá de Goiás e Pirenópolis (GO) ganham projeto de requalificação de áreas históricas

Ação do Iphan visa valorizar espaços urbanos de convivência e contemplação para os moradores e turistas
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Maquete eletrônica do largo da Igreja Matriz de Pirenópolis. Foto: Déborah Souto

Preservar os Centros Históricos de Corumbá de Goiás e Pirenópolis (GO), símbolos da memória das cidades e identidade de sua gente. É com essa proposta, que o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), por meio da superintendência em Goiás, vai entregar projetos de requalificação urbana de áreas históricas desses municípios.

Voltados para os largos das Igrejas Matrizes de Nossa Senhora da Penha de França, em Corumbá de Goiás, e Nossa Senhora do Rosário, em Pirenópolis, os projetos contratados pelo Iphan incluem a elaboração de intervenções urbanística, arquitetônica, paisagística, hidrossanitária, de drenagem, elétrica, luminotécnica, estrutural e de prevenção e combate a incêndio para esses espaços.

Pensados e discutidos tanto com as prefeituras, quanto com membros da comunidade para atender as principais demandas locais, as propostas têm como um dos principais objetivos valorizar a importância histórica da arquitetura local.

Como resultado desse trabalho, além de todos os projetos, os prefeitos receberão uma maquete eletrônica e um vídeo em realidade virtual, que mostram como os espaços ficarão depois das obras de requalificação. No total, foram investidos quase 357 mil pela autarquia federal vinculada à Secretaria Especial da Cultura e ao Ministério do Turismo.

O superintendente do Iphan-GO, Allyson Cabral, ressalta que com a ação, o Iphan reforça o seu esforço em preservar os Centros Históricos, valorizando as áreas de grande importância para as cidades que são reconhecidas como Patrimônio Cultural Brasileiro. “Esses espaços, assim que requalificados, serão mais visitados e usados, além de aumentar o fluxo de pessoas nas regiões turísticas que já tem como grande atrativo as suas Igrejas Matrizes”, enfatiza.

Os projetos executivos permitem a contratação das respectivas obras, coroando uma série de intervenções que o Iphan vem empreendendo nas regiões de Corumbá de Goiás e Pirenópolis, proporcionando locais dotados de qualidade estética e de equipamentos urbanos fundamentais aos seus usos atuais, aliados à preservação dos conjuntos tombados.

Em Corumbá de Goiás, cujo Conjunto Arquitetônico foi tombado pelo Iphan em 2004, é onde se encontra a Igreja de Nossa Senhora da Penha de França, principal elemento de destaque no conjunto tombado. Construída entre 1750 e 1880, a Igreja, rica em detalhes, remete a um passado glorioso, e expressa os anseios religiosos e culturais da população corumbaense. Os largos das matrizes são os espaços urbanos de maior representatividade em seus respectivos conjuntos tombados.

O Conjunto Arquitetônico, Urbanístico, Paisagístico e Histórico de Pirenópolis, tombado pelo Iphan em 1990, é onde se localiza a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, primeiro tombamento do Iphan no Estado de Goiás, ainda em 1941. A Igreja é considerada monumento nacional, seu valor ultrapassa o de edifício arquitetônico religioso, sendo a mais importante referência memorial e urbana da cidade, que se estruturou em seu entorno.

Os largos surgiram a partir da construção das igrejas, e se tornaram espaços essenciais na organização urbana e no desenvolvimento de ambas cidades. São importantes conexões entre os municípios e a vida cotidiana das pessoas e já foram palcos das tradicionais Cavalhadas, das Festas do Divino Espírito Santo de Pirenópolis e dos Festejos de Nossa Senhora da Penha de Corumbá de Goiás, além de outras manifestações culturais.