Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Cia de Teatro Nu Escuro oferece aulas-espetáculos gratuitas online

Companhia goiana fará transmissões ao vivo, abertas ao público, através do seu canal no YouTube, entre os dias 22 e 25 de setembro
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Cia de Teatro Nu Escuro fará transmissões ao vivo

As pesquisas e as abordagens técnicas que acompanham a Nu Escuro ao longo de seus 24 anos de carreira serão compartilhadas neste mês de setembro através de aulas-espetáculos gratuitas. Ao todo serão nove aulas, quatro delas abertas ao público, com transmissão via YouTube https://linktr.ee/nuescuro. Elas serão oferecidas de 22 a 25 de setembro, das 19h às 21h. As demais aulas serão oferecidas para a Escola de Teatro de Anápolis, para o Itego/Basileu e para a Escola Municipal Laurindo Sobreira do Amaral. A iniciativa faz parte do Projeto Barbas, que conta com apoio do Fundo de Arte e Cultura de Goiás.

Quem já assistiu a algum espetáculo da Nu Escuro, seguramente lembra-se dos movimentos corporais de Lázaro Tuim, dos bonecos de Izabela Nascente, da musicalidade de Abílio Carrascal e das interpretações cheias de personalidade de Adriana Brito e Eliana Santos. São estes e estas os atores-professores que abrirão as coxias para compartilhar as pesquisas, trabalhos e competências que moldam suas trajetórias como artistas de teatro.

Estas atividades estavam previstas para serem realizadas presencialmente. A Cia, contudo, adaptou o trabalho para que as aulas chegassem às pessoas de forma virtual. Tuim, ator e diretor de produção da Nu Escuro, relembra que essa realidade não é uma novidade para área, mas era pouco explorada. Por outro lado, a adaptação não deixa de ser instigante e provocadora, de acordo com o ator.  “Ainda não temos como apontar aonde chegaremos, mas poder divulgar o trabalho desenvolvido no palco e nas ruas utilizando as plataformas e interfaces digitais é uma possibilidade de ampliar o alcance de nosso trabalho, inclusive rompendo barreiras territoriais. Ou seja, estamos realizando um mergulho ‘Nu Escuro’”, comenta Tuim.