Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Capitão Tocha leva representatividade, aprendizado e confiança para crianças e adultos

Filme produzido pela Rosa dos Ventos com o Fundo de Arte e Cultura conta a história do menino Pedro que encontra um boneco que o representa
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
(Divulgação)

Inspirado em quadrinhos e lembranças da infância, Capitão Tocha fala sobre Pedro, um menino negro e feliz que tem como principal passatempo criar histórias a partir de brincadeiras com seus bonecos e outros objetos ressignificados por ele. Mas sua brincadeira se torna especial quando ele encontra um boneco de ação com características semelhantes a sua na casa de um amigo.

Capitão Tocha é uma história sobre representatividade, aprendizado e autoconfiança conduzida pelo imaginário de uma criança que enxerga em seus ídolos a projeção de um verdadeiro herói.

“A ideia surgiu de uma forma descontraída quando eu e meus amigos assistíamos um filme infantil de fantasia. Ao término do filme, um deles vira para mim e diz que aquela obra se parecia muito com os filmes que eu e minha produtora costumávamos fazer no início da carreira. Isso foi durante o segundo ano de faculdade de cinema que eu cursava em Goiás em 2017 e nesse período eu não estava produzindo como lá em 2013, muito menos filmes com a temática infantil. Então as palavras do meu amigo me serviram para despertar novamente o interesse em realizar um filme com essa temática e ali mesmo comecei a elaborar uma ideia que viria ser o Capitão Tocha” explica Matheus Leandro, diretor e roteirista de Capitão Tocha.

Ele conta que a proposta fílmica se deu primeiramente por reconhecer a necessidade de demonstrar como a história de um menino de 10 anos em suas relações familiares e em seu modo de ver o mundo e construí-lo por meio do ato de brincar, pode ser uma relação paradigmática possível para que outras crianças e adultos façam um exercício de reflexão sobre o estar/agir em seus próprios mundos.

“Baseado em minhas experiências de infância e as histórias de heróis que me inspirava naquela época, comecei a imaginar um filme em que uma criança de 10 anos cria histórias a partir de brincadeiras com seus bonecos e que quando encontra um boneco especial com características parecidas a sua, se sente representado e determinado a ser um herói. E para isso, era preciso que o filme não só mostrasse o personagem brincando, como também mostrasse o universo da brincadeira imaginado por ele, onde a fantasia e a exploração espacial eram possíveis. Dessa forma busquei dar ênfase nos bonecos enquadrando-os também como personagens centrais da trama, assim como personagens de revistas e filmes de super-heróis valorizando a narrativa criada pelo garoto” afirma.

Para tanto, foi necessário bastante pesquisa e uma equipe qualificada, que trouxesse o realismo e organicidade dos cenários e objetos, o espírito de aventura por meio da iluminação, enquadramentos e movimentos, a fantasia do universo lúdico através do som e da trilha sonora, a agilidade e coerência da montagem e toda organização, atenção e competência para produzir e realizar o filme em épocas complicadas, sobretudo, dentro de uma pandemia.

A ludicidade proporcionada pela narrativa fílmica busca também como produto final, a utilização do audiovisual para a partir de ações culturais, conscientizar pais, educadores, assim como toda a sociedade sobre a necessidade de proporcionar um ensino-aprendizagem que se harmoniza com a capacidade criadora e as formas de resolução de conflitos e recriação do próprio mundo infantil.

O diretor ressalta que o ato de brincar é uma importante forma de se comunicar e reproduzir em seu cotidiano os resultados dos processos socializadores, para além do processo de aprendizagem, da reflexão, da autonomia e criatividade do personagem infantil, estabelece possibilidades de interferência direta na construção do desenvolvimento do público infantil enquanto sujeitos morais em formação na perspectiva integral e integrada.

“A relevância do filme como instrumento de resgate do imaginário infantil deve ser também mencionada, pois, agora de uma forma refletida pelo olhar de um adulto em suas experiências mais complexas ao utilizar a arte para levantar questionamentos que dialogam com as questões éticas e de raça,” destaca Matheus.

O curta-metragem envolveu profissionais das cidades de Anápolis, Goiânia e Cidade de Goiás, valorizando a produção de cinema e audiovisual deste gênero do interior do Estado de Goiás.

Acessibilidade

(Divulgação)

Com o objetivo de atender o público de pessoas com deficiência auditiva, o curta Capitão Tocha tem uma versão que os contempla em duas perspectivas: a primeira com uma legenda descritiva indicando ruídos e sons relevantes para a construção da narrativa; e a segunda a partir de Libras.

Para o público de pessoas com deficiência visual, a áudio descrição é o recurso utilizado para possibilitar ao espectador receber informações sobre o cenário, figurino e expressões faciais dos atores, para auxiliar na contextualização dos diálogos.

Capitão Tocha tem sido exibido em escolinhas e grupos de estudo pelo Google Meet, visto que as exibições públicas ainda não estão liberadas em função da pandemia.

Os alunos da Escola Asas de Liberdade e do Grupo de estudos NeabíNuances assistiram o Capitão Tocha no dia 10 de junho, os da Escola Pluricultural Odé Kayodê, no dia 11. Até o final do mês, o filme também será exibido em outras quatro oportunidades e além do público de cada entidade convidada, expectadores que tiverem acesso aos links abaixo também poderão assistir:

Escola Municipal Ernestina Lima

Sexta-feira, 25 de junho • 9:00 até 10:00am

Informações de participação do Google Meet

Link da videochamada: https://meet.google.com/mwj-zqvn-xxc

Associação de surdos Goiânia

Segunda-feira, 28 de junho • 9:00 até 10:00am

Informações de participação do Google Meet

Link da videochamada: https://meet.google.com/gne-puyo-wjj

Cine debate Goiás em foco

Terça-feira, 29 de junho • 7:00 até 8:00pm

Informações de participação do Google Meet

Link da videochamada: https://meet.google.com/nuf-tnty-arw

CEBRAV – Capitão Tocha

Quarta-feira, 30 de junho • 4:00 até 5:00pm

Informações de participação do Google Meet

Link da videochamada: https://meet.google.com/zms-yehf-eie