Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Autêntico croissant

Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
  • O croissant, a especialidade cujo nome significa “meia-lua”, é o pão de massa folhada mais famoso em todo o mundo e bastante tradicional na França. (Foto: Ângela Motta)
Os goianos têm diversificado hábitos e experimentado mais, especialmente na área gastronômica, na qual estão cada vez mais abertos a novos sabores. Releituras e versões gourmet deixaram de ser termos de um vocabulário distante e passaram a integrar, de fato, o cardápio no dia a dia. O resultado é que na hora do café ou de um lanche mais especial, pratos tradicionais como pães, pão de queijo ou empadão disputam a preferência com delícias como o croissant.
Esta mudança de hábito é comprovada na Boulangerie de France, loja especializada em receitas tradicionais da Europa. Além da variedade de pães artesanais, estimada em 30 opções, doces e cafés especiais, as versões de croissant tradicional e doces são bastante consumidas, tendo representação significativa no portfólio. Além da versão tradicional, que abrange cerca de duas mil unidades comercializadas por mês, a padaria oferece as versões Croissant D’Amande, recheado com pasta de farinha de amêndoas fatiadas no topo, e Croissant Pain Au Chocolat.
Um pouco de história
O croissant, especialidade cujo nome significa “meia-lua”, é o pão de massa folhada mais famoso em todo o mundo e bastante tradicional na França.
Porém, ao contrário do que muitos pensam, a sua origem não está em terras francesas. Diz a lenda que a especialidade foi inventada em Viena, na Áustria, por volta de 1683, época em que o Império Otomano tentava aumentar as suas possessões na Europa. Como não conseguiam entrar na cidade, o exército decidiu que, durante algumas noites, iriam escavar um túnel até o centro da cidade.
O comando de guerra não sabia que os padeiros de Viena permaneciam acordados durante a noite inteira para que, de manhã, pão fresco chegasse em todas as mesas. E foi numa tentativa de invasão que os padeiros deram o alarme, evitando a tomada da cidade.
Como recompensa, os padeiros de Viena pediram o direito de criar algo exclusivo para comemorar a vitória sobre o inimigo. Assim surgiram os pãezinhos folhados em forma de meia-lua, símbolo representado na bandeira turca.
Mais tarde, por volta de 1770, o croissant chegou ao território francês por meio da austríaca Maria Antonieta, que se tornou rainha da França. O pão preferido dela rapidamente se popularizou e hoje, além de conhecido em todo o mundo, é presença marcante em almoços de famílias francesas e vendido em todas as padarias e ruas da França e atualmente também no Brasil. É de dar água na boca.
  • A Boulangerie de France oferece as versões Croissant D' Amande, recheado com pasta de farinha de amêndoas fatiadas no topo e Croissant Pain Au Chocolat. (Foto: Divulgação)
Matéria publicada na 33ª edição da Revista Zelo