Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Arqueólogos descobrem estruturas históricas do início de Goiânia nas obras do BRT

Tubulações de saneamento básico confeccionados em cerâmica resistem há décadas no subsolo da capital
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Arqueólogos avaliam estrutura que revela mais um capítulo do passado de Goiânia (Foto: Acervo/Iphan-GO)

As obras do BRT Norte-Sul de Goiânia (GO) chegaram à Praça Cívica, local que marca a construção da capital, em 1930. E, durante a execução da pavimentação do anel interno da Praça, arqueólogos contratados para o monitoramento foram surpreendidos com novos vestígios – tubulações de saneamento básico confeccionadas em cerâmica grés, um tipo de argila com grande conteúdo de grão fino, utilizado em estruturas dessa época.

Todo o trabalho é acompanhado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), por meio da superintendência em Goiás. Os achados reforçam a importância de pesquisas arqueológicas nas obras de infraestrutura de grande porte, uma vez que reduzem o impacto ao Patrimônio Arqueológico Brasileiro.

A estrutura foi encontrada entre os prédios dos Correios e do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que ficam no perímetro urbano tombado pelo Iphan. A arqueóloga Elaine Alencastro, responsável pela pesquisa, ressalta que o artefato é testemunho das primeiras tubulações de saneamento construídas em Goiânia. “Não é um elemento qualquer, e o material encontrado nos canos suporta altas temperaturas, sendo impermeável e muito resistente”, avalia a profissional.

O objeto histórico foi evidenciado para avaliação dos arqueólogos da obra e do Iphan. Em seguida, foram feitas fotografias, coletados desenhos e amostras. O material, por fim, será protegido para a continuação das obras no local.

Para o arqueólogo do Iphan-GO, Danilo Curado, essa descoberta na obra só evidencia a quantidade de tesouros históricos que estão debaixo da massa asfáltica. “São evidências do início de Goiânia, na região da Praça Cívica, elemento central na concepção de Attilio Corrêa Lima, e que faz parte de um indí­cio completo de uma sociedade”, explica o arqueólogo. “A estrutura encontrada é de saneamento de esgoto, desenvolvida com material resistente e está muito conservada, mesmo estando há várias décadas sob o solo de uma das principais ruas do centro de Goiânia.” E o arqueólogo não descarta o aparecimento de outros achados arqueológicos.

“Estamos observando qualquer pista histórica, seja de atividades humanas, estruturais, materiais utilizados no passado. Através desses achados, estudamos e interpretamos as antigas ocupações e acontecimentos”, complementa a arqueóloga Isadora Mota, integrante da obra do BRT.

As transformações ocorridas ao longo do tempo em Goiânia consideraram não só os aspectos físicos e formais, mas também a parte de saneamento básico, que comtemplam serviços como abastecimento de água, esgotamento sanitário, drenagem urbana, manejos de resíduos sólidos e de águas pluviais, fundamentais para o desenvolvimento de uma região. As novas descobertas só confirmam os conceitos inovadores e de durabilidade utilizados nas tubulações no início da capital.  Agora, os arqueólogos avaliam se as estruturas ligam à Praça Cívica a outros prédios históricos ao redor dela.

“Mais uma vez, foram reveladas estruturas que fazem parte do passado de Goiânia, encontradas próximas aos edifícios inseridos no Conjunto Arquitetônico Art Déco e Urbanístico de Goiânia, tombado pelo Iphan. Não há dúvida, de que no entorno da Praça Cívica há um importante e valioso patrimônio arqueológico no subsolo. O Iphan está atento a qualquer peça ou fragmentos, seja um vestígio grande ou pequeno, ressalta o superintendente do Iphan-GO, Allyson Cabral.

As descobertas das tubulações de cerâmica aconteceram bem próximo também do prédio da Antiga Chefatura de Polícia, na Praça Cívica, que passa por obras de restauração pelo Iphan. “Ao redor desses edifícios que narram a história da capital existem preciosidades históricas encobertas e precisam ser preservadas”, aponta Allyson.

Outros achados arqueológicos na obra

Em maio deste ano, as pesquisas arqueológicas realizadas nas obras do BRT Norte-Sul também identificaram uma galeria de águas pluviais, do início de Goiânia. A descoberta foi feita em frente ao Grande Hotel, um dos primeiros edifícios construídos no estilo art déco na capital, localizado na avenida Goiás, no centro da cidade, e ocorreu quando se iniciaram as obras para a construção de um novo bueiro para o escoamento de águas.