Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

“A Febre”, filme de Maya Da-Rin, é selecionado para representar o Brasil no Prêmio Goya, na Espanha

A obra foi indicada como Melhor Filme Ibero-Americano na 36° edição do evento
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
(Divulgação)

O filme “A Febre”, de Maya Da-Rin, foi escolhido pela comissão de seleção formada pela Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais para representar o Brasil na disputa pela indicação de Mejor Película Iberoamericana (Melhor Filme Ibero-Americano) na 36ª edição dos Prêmios Goya — que será realizada no dia 12 de fevereiro de 2022. A premiação é organizada pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas da Espanha. Além do trailer, o filme completo está disponível no catálogo da Netflix.

A obra cinematográfica foi escolhida a partir de uma lista com 15 longas-metragens, que incluíam filmes premiados como “Aos Olhos de Ernesto”, “Pacarrete”, “Todos os Mortos”, entre outros. A comissão foi composta por Flávio R. Tambellini, produtor, diretor e sócio-fundador da Tambellini Filmes; Carlos Heli de Almeida, repórter e crítico de cinema; Jom Tob Azulay, produtor e diretor; Sabrina Fidalgo, diretora e roteirista; e Virginia Cavendish, atriz, roteirista e produtora.

O presidente da comissão, Flávio R. Tambellini disse que a votação aconteceu em dois turnos, na manhã de hoje (23). “’A Febre’ é um filme sensível não apenas pela linguagem, como também pela temática indígena e amazônica, que tem hoje uma enorme relevância global”, expressou Tambellini.

“A Febre” acompanha a rotina de Justino (Regis Myrupu), um indígena que trabalha como guarda de segurança no porto de Manaus, no Amazonas. Enquanto sua filha se prepara para ingressar na faculdade de medicina, em Brasília, Justino é dominado por uma febre misteriosa. Paralelamente, uma série de estranhos ataques a animais ganha destaque nos noticiários locais.

A profícua carreira do longa-metragem em festivais inclui os prêmios de melhor ator (Regis Myrupu) no Festival Internacional de Cinema de Locarno; melhor direção (Maya Da-Rin) no Festival Internacional de Cinema de Chicago; melhor direção e melhor som no Festival do Rio; e cinco prêmios no Festival de Brasília, nas categorias de melhor filme, direção, fotografia, ator e som.