Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Tem pet em casa? Cuidado com plantas tóxicas

Médica veterinária fala sobre as espécies de plantas mais comuns nos lares do Brasil que são prejudiciais à saúde dos animais de estimação
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
(Foto: vadim kaipov/Unsplash)

Para deixar a casa mais bonita, com um toque mais acolhedor e renovado, muitas pessoas optam por inserir plantas na decoração. Por causa do isolamento social, cultivá-las em casa, em vários ambientes do lar, virou tendência e até mesmo uma atividade terapêutica para a família.

No entanto, para quem é pai ou mãe de pet, algumas espécies precisam ser avaliadas. Os tutores precisam ter um critério a mais na hora da escolha, pois existem plantas ornamentais, que apesar de serem lindas, são consideradas tóxicas para os animais de estimação.

De acordo com a médica veterinária, Thais Matos, da área de Confiança & Segurança da DogHero, maior empresa de serviços para pets da América Latina, uma boa parte das plantas que a maioria dos brasileiros gostam de ter em casa pode ser venenosa para cães e gatos, prejudicá-los ou até levá-los à óbito.

“Intoxicação é algo grave e pode colocar a vida dos pets em risco. Os tutores precisam ficar atentos. Muitas vezes, por curiosidade (em especial filhotes) ou por tédio, os pets acabam mordiscando e comendo partes do arranjo. Em caso de intoxicação, os primeiros sinais costumam aparecer já nas primeiras horas seguintes e, em alguns casos, podem durar dias”, alerta Thaís.

A especialista orienta ainda que o melhor procedimento, quando o pet tem contato com tais plantas, é limpar a boca dele com água corrente. “Mas, cuidado para não fazer ele engolir os resíduos e não afogá-lo! Assim, você retira quaisquer resquícios da planta ou de seiva que sobrou por ali. Não provoque vômito e não dê nada para o pet comer ou beber, nem água . Em seguida, procure imediatamente um médico veterinário e não se esqueça de levar uma amostra ou uma foto da planta tóxica. É fundamental que o profissional saiba qual foi ingerida para poder escolher o melhor tratamento”.

A veterinária da DogHero , listou 11 plantas tóxicas para cães e gatos mais comuns em casas e apartamentos no Brasil. Confira:

Violeta (Viola)

Suave e aparentemente inofensiva seus caules e sementes possuem ativos tóxicos. Com isso, ela se torna perigosa para os animais de estimação. Ao ingerir a violeta o pet pode ter náuseas e vômitos. Pode causar gastrite severa, depressão circulatória e respiratória.

Lírios e os Lírios-da-paz (Lilium e Spathiphyllum wallisii)

Também são plantas muito encontradas nos lares brasileiros e consideradas tóxicas para os animais de estimação. Pode causar alterações nas funções renal e neurológica nos pets, além de dificuldade de engolir, irritação ocular e oral nas mucosas, e graves problemas respiratórios.

Tulipa (Tulipa)

Esta encantadora flor possui uma grande variedade de espécies e cores e é muito usada para decorar jardins e ornamentação de ambientes. Porém, é prejudicial para os pets se ingerida em grandes quantidades. Pode causar alergia na pele, vômito, desânimo, diarreia e salivação excessiva.

Dama da noite (Cestrum nocturnum)

De diversos gêneros e espécies ela exala um aroma que contagia todo o ambiente. Todas as partes da planta são tóxicas. Poucas horas após o consumo da dama da noite, o pet pode ter náusea, vômito, boca seca, falta de coordenação motora, pupilas dilatadas e visão alterada, comportamento anormal, tremores e até convulsões (que podem durar dias).

Hortênsia (Hydrangea macrophylla)

São exuberantes e também contam com uma característica peculiar: um princípio ativo que pode torná-la venenosa para cães e gatos. O cianeto de hidrogênio, presente em todas as suas partes, é um veneno que se ingerido em grandes quantidades pode causar sérios problemas. A ingestão da hortênsia causa boca arroxeada, dificuldade respiratória, vômito, dor abdominal, diarreia e convulsões nos pets.

Azaleia e Espirradeira (Rhododendron simsii e Nerium oleander)

Ambas possuem uma substância que pode causar problemas digestivos e cardíacos nos pets. Os sinais mais comuns são: animal se recusa a comer, aumento ou diminuição da frequência cardíaca, diarreia persistente ou com sangue, dor abdominal, enjoo, vômito, perda de coordenação motora, desânimo e convulsões.

Samambaia (Nephrolepis polypodium)

Existem muitas espécies de samambaia e todas são tóxicas para cães e gatos. Sua ingestão prejudica a produção de glóbulos vermelhos e provoca sinais agudos como sangramentos, pontinhos vermelhos pelas mucosas da boca e sangue na urina. Em casos crônicos, podem causar grave anemia.

Hibisco (Hibiscus)

De aspecto exótico e rara beleza, o hibisco também é uma das preferidas para casas e apartamentos. Esta planta pode ser bastante perigosa para os pets. As flores e as folhas do hibisco são tóxicas e causam vômito, diarreia, náusea e perda de apetite.

Comigo-ninguém-pode (Diffenbachia)

Uma das plantas mais tóxicas para os pets (todas as partes são nocivas) e facilmente encontrada em vários lares do Brasil. O contato com os olhos pode gerar edema, fotofobia e lacrimejamento. O animal de estimação pode sofrer com cólicas abdominais, náuseas, vômitos, inchaço nos lábios, língua e palato.

Babosa (Aloe vera)

Além da finalidade medicinal também é usada para fins decorativos em casa. Ao ingerir babosa, o pet pode apresentar sinais como vômito, desânimo, diarreia, tremores e ter alteração na cor da urina.

Begônia (Begoniaceae)

Uma planta ornamental com flores e folhagens coloridas, muito utilizada na decoração da casa ou jardim. O consumo de begônia pelos animais de estimação causa irritação e queimação na boca, língua e nos lábios, salivação em excesso, vômito e dificuldades de engolir.