Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Inverno gelado: como proteger seu pet do frio?

É importante manter os animais aquecidos para evitar as doenças mais comuns da estação
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
(Foto: mylene2401/Pixabay)

Com a chegada do inverno rigoroso, as temperaturas já causam impacto não apenas na saúde dos seres humanos, mas também no bem-estar dos animais de estimação. Para ajudar a proteger seu pet nos dias gelados, a especialista Luana Sartori, médica veterinária da Nutrire, dá algumas dicas importantes.

O ambiente

As temperaturas baixas afetam menos os animais que vivem dentro de casa, pois uma casinha já é suficiente para que não passem frio. Porém, para os que passam boa ou toda parte do tempo do lado de fora, a recomendação é que não tenham contato direto com o piso gelado. “Há várias maneiras de deixar as casinhas dos pets quentinhas, as opções vão desde usar aquele cobertor em desuso até forrar o local com material emborrachado. Jornais, carpetes, tatames e estrados de madeira também ajudam bastante”, recomenda Luana.

Roupas

Segundo Luana, as roupas ajudam a manter os animais quentinhos, porém, é preciso cuidado na hora de usá-las. “O ideal é que os tecidos esquentem pets que ficam em áreas externas, os de pelagem curta e as raças menores e mais propensas ao frio. Já os animais que têm pelo denso e vivem dentro de casa, geralmente, não necessitam ser vestidos”, explica. Vale lembrar que alguns animais não se adaptam com roupas de lã ou sintéticas, por exemplo. Nesses casos, é possível experimentar o algodão ou o soft, que causam menos irritação na pele. É preciso que o dono analise seu cão e escolha o tipo de roupa que lhe deixe mais confortável.

Banho

Há um mito de que no frio o animal não precisa tomar banho. Além de não ser higiênico, deixar o pet sujo prejudica sua saúde e pode causar problemas sérios para o bichinho. O ideal é que os banhos sejam mantidos, porém, com alguns cuidados extras. “Sempre utilizando água morna, secando bem e evitando que o cão tenha contato com a rua até, no mínimo, 30 minutos depois. O local da higienização também deve ser protegido do frio e sem correntes de ar”.

Estimule o pet

Para auxiliar no bem-estar do animal, algumas brincadeiras podem ajudar a manter seu corpo aquecido. “Estimular o pet a fazer exercícios físicos é essencial até para evitar que ele ganhe peso nos períodos de baixas temperaturas, visto que os animais costumam comer mais nesses períodos. Vale lembrar que a gordura em excesso pode causar doenças cardiovasculares, no fígado e na coluna”, acrescenta a especialista.

Passeios

“Podem ser mantidos, mas o ideal é que ocorram próximos aos horários mais quentes. Meio-dia é perfeito para o passeio, pois a temperatura costuma aumentar. Evitar saídas pela manhã ou depois das 18h ajuda a evitar que o animal se resfrie, por exemplo”.

Não esqueça o veterinário

Manter o animal aquecido é uma das formas de deixá-lo feliz. Além disso, Luana recomenda que as visitas ao veterinário sejam seguidas rigorosamente. Afinal, manter o animal saudável o ano todo é imprescindível para que ele esteja forte para enfrentar o inverno. “A melhor forma de prevenção de algumas doenças do frio ainda é a vacinação, o que também torna fundamental o acompanhamento médico em todas as fases da vida do pet”, diz.