Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Conheça 6 curiosidades sobre o Lulu da Pomerânia

Pomerânia, também conhecido como Spitz Alemão, liderou o ranking das raças mais registradas em 2019 pela Confederação Brasileira de Cinofilia
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
O Lulu da Pomerânia, também conhecido como Spitz Alemão e Lulu, conquistou o coração dos brasileiros (Foto: Shutterstock)

Pequenos, adoráveis e amorosos, os Pomerânias, também conhecidos como Spitz AlemãoLulu, conquistaram o coração dos brasileiros. A pelagem única e abundante, a cabeça de raposa com olhos alertas e as pequenas orelhas pontudas, garantem a ele características únicas. Além disso, atributos comportamentais como o de ser muito companheiro, fez com que sua popularidade crescesse, ultrapassando o Bulldog Francês, raça mais registrada em 2018.

No Brasil, a Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC) divulga, anualmente, o ranking das raças mais registradas. Em 2019 foram 120.651 registros de cães de raça no país – destes 25.231 foram apenas de Pomerânias. Pensando nisso, a Médica-Veterinária Natália Lopes, Gerente de Comunicação Científica da Royal Canin Brasil, preparou um levantamento com as principais curiosidades para orientar os apaixonados pela raça.

1. Descendente das regiões árticas da Islândia

O Pomerânia é descendente de cães originários das regiões árticas da Islândia. É uma raça que possui várias características semelhantes à dos lobos como, por exemplo, orelhas pequenas (para evitar queimaduras por frio) e subpelo isolante e denso (para manter o calor e protegê-los do frio).

2. Sensibilidade específicas

A raça Pomerânia apresenta algumas sensibilidades específicas, dentre elas, a dental, uma vez que os dentes de leite, frequentemente, persistem quando nascem os dentes permanentes, o que provoca o acúmulo de resíduos alimentares e bactérias na boca do cão ainda jovem. Outra sensibilidade, de origem genética, é o deslocamento da articulação do joelho (luxação de patela), que pode predispor o cão à lesão de ligamento e artrite. O fato de possuir uma pelagem densa pode fazer com que a pele perca umidade, provocando seu ressecamento e a perda do brilho dos pelos. Por fim, devido ao seu porte miniatura, possuem tendência à constipação intestinal (fezes mais duras e ressecadas).

Devido a estas sensibilidades, precisam de cuidados específicos como uma alimentação própria para a raça. Um exemplo é o ROYAL CANIN® Pomeranian, alimento disponível na versão seca e úmida (sachê), indicada para cães adultos e maduros. O croquete adaptado para a mandíbula pequena da raça Pomerânia, auxiliando na saúde dental, além de ter fórmula exclusiva que oferece suporte aos ossos e articulações, ajuda na saúde digestiva melhorando a consistência das fezes, e possui ácidos graxos essenciais que beneficiam a saúde da pele e pelagem. Tudo isso confere mais qualidade de vida ao animal ao longo do tempo.

Vale lembrar que é importante consultar o Médico-Veterinário de confiança para ele indicar o melhor alimento para cada pet.

3. Perfil comportamental

Excelentes companheiros, além de inteligentes, ativos e protetores, o Pomerânia é um cão de raça muito dócil e que adora brincar e se exercitar. Ele está sempre atento, animado e é excepcionalmente dedicado ao seu tutor.

Com visitas podem se comportar com desconfiança, por isso, desde filhotes precisam ser encorajados à socialização. Mas esta é a mesma razão que os tornam o cão de guarda ideal para o lar. Embora facilmente treinável, esta raça inteligente também pode ter uma veia independente. Se bem treinado (para não latir excessivamente) e socializado, o Pomerânia ficará feliz em conviver com outras pessoas e cães.

Sua boa adaptação a diferentes climas, robustez, aparência e longevidade são atributos que conquistaram milhares de pessoas ao redor de todo o mundo. A expectativa de vida média da raça é de 13 a 16 anos.

4. Cinco tamanhos diferentes

Com cinco tamanhos diferentes, variando de 18 a 55 cm, e uma gama de cores de pelagem, o Pomerânia, ou Spitz Alemão, é uma raça com incrível diversidade. As cinco variedades do Spitz Alemão são conhecidas separadamente como Spitz Toy, Spitz Miniatura, Spitz Médio, Spitz Gigante e Spitz Lobo. Em países de língua não alemã, os Spitz Lobos são conhecidos como Keeshonds e os Spitz Toys como Lulu da Pomerânia.

5. Pelagem exuberante

Os Pomerânias cativam pela beleza de sua pelagem. Impressionante é o tipo de juba ao redor do pescoço (“rufo”) e a espessa cauda atrevidamente portada sobre o dorso. A camada externa, longa e lisa, fornece proteção contra fatores ambientais externos como a chuva. Já a camada interna atua como um algodão cobrindo a pele, sendo responsável por manter a temperatura do corpo. Por essa razão, os pelos do Pomerânia nunca devem ser raspados.

Para cuidar desta suntuosa pelagem, é importante aparar os pelos com um profissional a cada dois meses e escovar o animal regularmente, em média uma vez por semana, evitando assim, a formação de nós. O ideal é que o cão seja acostumado a estes cuidados deste filhote e que o processo seja feito de forma delicada para ser um momento agradável.

6. Cães da realeza e sua popularização

A rainha Vitória, da Inglaterra, era apaixonada por esses pequenos cães com juba pomposa. A raça acabou se popularizando por toda a Europa devido ao fato de a majestade não ser apenas tutora de vários Pomerânias, mas também ser uma das principais expositoras da raça.

Fora da Europa, o Pomerânia começou a ganhar popularidade em 1892, quando o primeiro cão da raça foi registrado no livro American Kennel Club (AKC), considerado um dos maiores clubes de registro genealógico de cães de raça pura do mundo, e o maior e mais antigo dos Estados Unidos. Ainda assim, o reconhecimento, de fato, veio somente em 1.900. A partir de então, a raça passou a participar de concursos e exposições até chegarmos nos dias de hoje, com esses adoráveis cãezinhos liderando o ranking de mais registrados no Brasil.