Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Iluminação inteligente ganha força em cenário de busca por maior economia

Especialistas explicam os benefícios do sistema para cidades e residências e o que é preciso fazer para que se desenvolva no território nacional
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Praticidade e maior economia de energia, são apenas alguns dos benefícios da iluminação inteligente, que está associada ao universo tecnológico e digital. Seja possibilitando acesso remoto às luzes de uma cidade ou garantindo mais conforto dentro de uma casa, a questão é que, cada vez mais, o sistema ganha força, apesar de que ainda é preciso mais conhecimento e entendimento das vantagens por parte dos profissionais do setor. Para esclarecer pontos importantes sobre o assunto, a Expolux, evento referência para as empresas do setor de iluminação de toda a América Latina, conversou com três especialistas.

Iluminação inteligente em cidades

Cidades-e-Lares-Inteligentes--1-
Foto: Divulgação

As cidades inteligentes fazem uso intensivo da tecnologia para melhorar a qualidade de vida das pessoas, a partir de dados produzidos pelos próprios cidadãos, e envolvem diversos setores, inclusive o de iluminação. De acordo com Plínio GodoyUrban & Technology Designer na CityLights Urban Solutions e Light Designer responsável pela iluminação da Avenida Paulista, a qualidade da luz é um fator essencial para o dia a dia das pessoas e um sistema inteligente garante bons resultados.

“Espaços bem iluminados permitem que as pessoas os utilizem com maior segurança e com a iluminação inteligente, o caminho para oferecer luz de qualidade é mais facilitado, já que pode permitir a captação de dados para melhor gestão do parque instalado e uma leitura real do consumo energético. Neste cenário, temos os sistemas conectados, que estão relacionados com a telegestão com a característica do acesso remoto por um centro de controle operacional. Como exemplo de um sistema que é chamado de desconectado, temos a dimerização de lâmpadas. O dimmer é um dispositivo eletroeletrônico que controla a intensidade da luz em um ambiente, o que pode resultar na economia de energia”, explica Plínio. 

Segundo Pedro Vicente Iacovino, Diretor-presidente da Associação Brasileira de Concessionárias de Iluminação Pública (ABCIP), a relação de iluminação pública inteligente com sustentabilidade é direta, o que gera benefícios para o meio ambiente, cidades e cidadãos.

“A iluminação inteligente está muito relacionada com o monitoramento e controle em tempo real do parque luminotécnico, o que garante, principalmente, um ganho adicional de 20 a 30% no consumo de energia, já que é possível em alguns horários do dia, por exemplo, reduzir a iluminação nas principais vias da cidade, o que, consequentemente, também impacta na redução das emissões de carbono. Com a iluminação inteligente, atingimos o tripé de benefícios ambientais, sociais e econômicos”, afirma Pedro.

Ainda para o Diretor-presidente da ABCIP, apesar de ser uma tendência que deve crescer no futuro, é preciso que tanto os brasileiros como os governos possuam mais conhecimento sobre a iluminação inteligente. “Algumas cidades do país já estão avançando com este sistema, mas ainda não é um número expressivo. O caminho a seguir é o do planejamento de longo prazo com foco nas necessidades do cidadão. Para acompanhar esta tendência é importantíssimo que profissionais do setor acessem programas de formação e capacitação continuadamente, para assim, estarem prontos para abraçar a iluminação inteligente”, diz.

Assim como Pedro, Plínio também compartilha a ideia de que as vantagens do sistema ainda precisam ser melhor compreendidas, já que a adesão de uma tecnologia deve ser baseada no valor agregado. “Vejo grandes oportunidades para que nossos governantes, percebendo o potencial do sistema, invistam na adequação das estruturas municipais. Precisamos de um planejamento baseado na análise e desenvolvimento de soluções integradas e que, assim, sejam entregues os resultados esperados”, explica.

Cidades-e-Lares-Inteligentes--1-
Foto: Divulgação