Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Com café e com afeto

Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Mix de banco e escultura promove integração e ganha destaque em projeto feito para a casa cor goiás 2014

Luz, natureza e aconchego foram os componentes que chamaram a atenção de quem circulou pelo Café da Casa Cor 2014, projetado pelos sócios e amigos Fabíola Naoum e Wilker Godoi. Desde o piso até o teto, os elementos escolhidos pela dupla construíram uma atmosfera de acolhimento e convivência, a partir de uma combinação que une materiais naturais como couro, fibras, pedras e madeira a peças assinadas, quadros modernos, itens de alta tecnologia e revestimentos neutros como base.
No mobiliário, o grande destaque foi para o banco modular feito de compensado naval. Com 13 metros de comprimento, o móvel foi concebido pelos próprios arquitetos, preocupados não apenas com o design, mas também com o conceito de sustentabilidade e estudos sobre Ergonomia. Em um exemplo de criatividade a serviço do bom gosto, foi criada uma extensão do móvel a partir de lâminas de compensado que partem do encosto, sobem pelo teto e descem pelo outro lado do ambiente, onde existe um lounge, composto por sofá e pufes de couro.
Os tons escuros também estão presentes nas cadeiras Maid, assinadas pela designer eslovena Nika Zupanc. Com detalhes de laços, as peças deram um toque feminino e foram posicionadas ao longo da maior parede do espaço (oposta ao balcão de atendimento), acompanhadas de mesas de alimentação com tampo de mármore. O conjunto imprime sofisticação ao ambiente, que tem 67m².
Mas quem imagina que o espaço tenha ficado escuro ou sombrio por causa dos materiais aqui descritos se engana. A palavra adequada é intimista. Mais do que isso, graças à composição de telas e antiguidades fixadas na parede com pintura especial Belle Epoque, aliada ao porcelanato Gris Armani, o ar é afetivo. Tanto que ganhou de seus criadores a carinhosa alcunha de “Galeria dos Afetos”.
Mas alguns itens também foram pensados para proporcionar leveza e bem-estar. O uso de espelhos ajudou a ampliar e iluminar o ambiente. A água que jorrava da fonte, em harmonia com um exuberante jardim vertical interno, proporcionou sensação de refresco para o clima quente e seco da nossa Capital. Instalado na lateral do balcão, o painel natural ganhou um recorte para que os atendentes da confeitaria Doce Doce pudessem ter acesso visual aos clientes e vice-versa.
Ainda na composição da área de atendimento, um vidro inteligente e polarizado foi instalado em uma das paredes, em frente às mesas. Com apenas um toque, o vidro torna-se opaco, proporcionando privacidade aos funcionários da cozinha, ou transparente, oferecendo aos clientes acesso à produção. Estreantes na Casa Cor, Fabíola e Wilker mostraram a que vieram. O ambiente que criaram é cheio de personalidade, demonstra maturidade e segurança na escolha dos detalhes. As pinceladas de diferentes tons de vermelho, por exemplo, aparecem no jardim, em ornamentos na parede e nas luminárias que ficam logo na entrada do Café. Tudo muito harmonioso, elegante e confortável.