Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Arquitetura sustentável: conjunto de ações contribui para diminuir os impactos ambientais da obra

Arquiteta detalha quais aspectos devem ser levados em conta nos projetos
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Em projetos de arquitetura sustentável, é fundamental preservar o máximo da área verde. Nessa casa a preservação da árvore a tornou uma das atrações da edificação (Projeto: Isabella Nalon | Foto: Julia Herman)

Com a questão sustentável ganhando cada vez mais força pelo mundo, muito se debate sobre o que pode ser feito para preservar o meio ambiente. Nos projetos arquitetônicos, muitos profissionais seguem optando pela arquitetura sustentável, que busca diminuir o impacto ambiental por meio de processos ecologicamente corretos. Somam-se também o desenvolvimento das relações sociais e interpessoais dos moradores dentro da construção realizada com essa premissa, além de se configurar como um caminho economicamente viável. No ranking mundial, segundo o Green Building Council Brasil (CBC), o Brasil já pontua como um dos países com mais obras sustentáveis no mundo, ficando atrás apenas de nações como a China, Emirados Árabes e Estados Unidos.

“É uma arquitetura que busca melhorar não somente o meio ambiente, mas a qualidade de vida das pessoas. Ela também é mais eficiente, pois aproveitamos os recursos naturais”, comenta a arquiteta Isabella Nalon. Ainda segundo ela, algumas alternativas sustentáveis podem demandar um investimento financeiro maior, como um sistema de geração de energia fotovoltaica. Entretanto, com um planejamento bem executado, a longo prazo é possível ter uma recuperação desse investimento.

Para quem almeja projetar uma residência sustentável, o primeiro passo é pesquisar quais são os materiais e tecnologias disponíveis no mercado, pois com frequência o mercado dispõe de novos recursos e soluções para esse tipo de projeto. “Hoje em dia, quando falamos em arquitetura sustentável, o cenário é bastante diferente daquele que trabalhávamos há 15, 20 anos atrás. As tecnologias atuais nos permitem aproveitar os recursos naturais de forma integral, reutilizar os materiais, empregar materiais recicláveis e aplicar formas de ventilação e iluminação natural”, ressalta a arquiteta.

Outra dica importante para o profissional de arquitetura é atender as necessidades dos moradores, mas sempre respeitando o perfil natural do terreno, de forma a evitar modificações radicais e deixar o máximo de área verde possível. “Evitar a retirada de árvores é um pensamento que deve nos acompanhar. Em uma casa que realizamos, aproveitei uma árvore que já fazia parte do terreno e ela se tornou a estrela do local”, conta.

Na realidade da arquitetura sustentável, vários elementos construtivos não causam impacto ambiental, como: telhado verde, aquecimento solar e geração de energia fotovoltaica – que reduzem o consumo de energia elétrica –, e a captação de água da chuva que pode ser tratada e direcionada para torneiras específicas, entre outros recursos. Já em termos de urbanismo, o mais importante é a criação de espaços públicos. “As ruas podem servir como espaço de convivência para os cidadãos. Junto a isso, a constituição de parques, ciclovias e corredores verdes propiciam uma maior fluidez e conexão com o natural”, relaciona Isabella.

A ventilação natural é outro recurso muito presente na arquitetura sustentável. Ao projetar a edificação, o arquiteto pode se valer de estratégias para posicionar os vãos de janelas e portas, propiciando a ventilação cruzada. “Nada mais vantajoso que fazer uso de um recurso renovável. Com isso, melhoramos a qualidade do ar, conquistamos o conforto térmico dos ambientes e a redução do uso de ar-condicionado e ventiladores. Ao economizar recursos naturais, o proprietário também é beneficiado na redução do consumo de energia elétrica”, comenta Nalon. Nesse contexto, a iluminação zenital, realizada por meio da abertura de vãos para a entrada de luz natural, igualmente colabora para um menor consumo energético. “Além de prover uma elegante entrada de luz, arquitetonicamente falando deixa o projeto muito mais charmoso e aconchegante”, completa.

Durante e depois do processo de construção do projeto, é relevante o estabelecimento de indicadores que permitirão o monitoramento dos consumos da obra para conferir se as tecnologias estão realmente funcionando. “Não existe fórmula para a arquitetura sustentável. Junto com as decisões trazidas, o mais indicado é ter dados sobre o consumo de água, energia entre outros”, detalha a arquiteta. Tudo isso faz com que proprietário e profissional responsável possam constatar se a aposta está sendo positiva.

Em projetos sustentáveis, é preciso também atentar-se à legislação para evitar multas e punições. Nos âmbitos federal, estadual e municipal, um robusto conjunto de leis e normas regem as condutas que, em linhas gerais, trabalham para proteger o meio ambiente e reduzir os impactos. “O simples ato de reaproveitar materiais, descartar o lixo da obra de forma correta e evitar desperdícios já contribui muito”, revela Isabella. “Sem contar que, na planilha de custos, é um grande benefício para o desembolso que o proprietário realiza em uma construção”, acrescenta.

Junto com o respeito à natureza, as vantagens de um projeto que segue essa linha impactam na economia de recursos naturais como água e energia, além da redução dos custos mensais e de longo prazo para a manutenção da residência. “Sem dúvidas, esses fatores cooperam para a valorização do valor venal do imóvel”, completa Isabella.  Completa-se a isso a participação do ser humano na cadeia do desenvolvimento social e do bem-estar do planeta como um todo.

Móveis e revestimentos executados com madeira de demolição são boas opções para quem pretende realizar projetos sustentáveis (Projeto: Isabella Nalon | Foto: Julia Herman)
Para iluminar o corredor e eliminar a sensação de espaço estreito provocada pela sua extensão, a arquiteta apostou na iluminação zenital (Projeto Isabella Nalon | Foto: Julia Herman)