Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Arquiteto dá dicas para quem deseja decorar apartamentos pequenos

Esse novo conceito de moradia atrai muitos jovens recém-formados, universitários e recém-casados que querem seu primeiro imóvel e optam por espaços menores.
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Foto: Divulgação

Os apartamentos das grandes cidades estão acompanhando uma tendência arquitetônica chamada Studio e/ou microapartamentosambientes de até 45m² com ou sem divisória e localizados em bairros estratégicos do centro e regiões mais movimentadas.

Segundo dados do Sindicato de Habitação de São Paulo (Secovi-SP), 31.284 das mais de 66 mil unidades vendidas na cidade em 2021 tem no máximo 45m², ou seja, quase 5 a cada 10 imóveis construídos.

Com o aumento da oferta e a procura por bairros mais bem localizados, os studios se tornam a preferência, principalmente, de jovens recém-formados, universitários e casais recém-casados, como opção de moradia pequena e confortável, permitindo que eles estejam perto de tudo o que precisam.

“Os studios se tornaram opção para muitas pessoas que estão procurando o primeiro imóvel, querem sair da casa dos pais e começar uma independência. A metragem pequena requer que o morador seja criativo, priorizando a funcionalidade dos espaços e também o bolso”, explica Glaucio Gonçalves, arquiteto especialista em studios e micro apartamentos.

Os apartamentos pequenos exigem uma reorganização de prioridades, já que não possuem muito espaço para armazenamento e ainda necessitam de móveis que sejam 2 em 1, como um banco baú. Mas também é preciso levar em consideração o bolso de quem está mudando.

Colocar móveis planejados e fazer exatamente como você imagina pode sair muito caro, por que a marcenaria tem um preço mais elevado. Conseguir elencar suas prioridades e escolher móveis que atendam sua necessidade é essencial para que você tenha conforto e funcionalidade”, completa o arquiteto.

Como dica, o arquiteto sugere que se faça uma reflexão sobre quais são suas necessidades, como quantos sapatos você precisa no dia a dia, quantas gavetas você acha que precisa para tornar a sua vida mais fácil e o que você abre mão para ter mais espaço e mais dinheiro no bolso. Praticar o essencialismo é o segredo. Além disso, as escolhas inteligentes de móveis essenciais podem fazer toda diferença. “Não é difícil encontrar em lojas de varejo móveis bacanas e que ajudam no dia a dia. Uma mesa retrátilarmários suspensos… tudo isso ajuda no aproveitamento dos espaços”, finaliza.