CASA - 23/09/2019

Soluções criativas para o mobiliário de apartamentos


Desenho personalizado, uso de insumos inusitados e multifuncionalidades, são tendências para mobiliário. Nessa direção a arquiteta Anna Paula Melo, que desenvolve peças autorais, tem surpreendido o público com suas criações. Confira algumas feitas sob medida para os decorados Reserva Parque Areião e Cena Marista, da Brasal Incorporações:

Escrivaninha que se transforma em penteadeira

(Foto: Comunicação Sem Fronteiras)

Para o quarto da menina idealizado para o Cena Marista, da Brasal Incorporações, Anna Paula Melo idealizou uma escrivaninha que vira penteadeira, dando uma solução de economia de espaço e funcionalidade. Dividido em duas partes, de um lado existe uma mesa com uma gaveta para guardar os objetos; no outro a mesa é, na verdade, um tampo que abre e tem um espelho em sua parte inferior. Na base, é possível guardar as maquiagens. “Pensei em um móvel que fosse bem funcional e coringa, que não ficasse amarrado a uma coisa só, além de ser uma forma de economizar espaço”, esclarece a arquiteta. No mobiliário foi utilizado a palha antiga. “A palhinha foi um charme a mais, poderia ser vários materiais, esse que escolhi está conversando com a decoração do quarto”, conta Anna Paula.

Mesa com horta na cozinha

(Foto: Elton Rocha)

No Reserva Parque Areião, outro empreendimento da Brasal Incorporações cujo decorado é assinado por Anna Paula Melo, há inovação para quem quer ter horta dentro do apartamento em um lugar improvável.  Na cozinha, ela desenhou uma mesa em formato retangular com um cachepô acoplado a uma das extremidades para ser usado como um vaso para cultivo de temperos. “Essa foi uma solução que encontramos para atender um anseio comum nos dias de hoje. Muita gente gosta de cozinhar ao mesmo tempo que recebe os amigos em casa. Com isso, o anfitrião obtém praticidade e tem sempre os seus temperos à mão, além de compor a decoração”, salienta a arquiteta.

Cabeceira irreverente

(Foto: Elton Rocha)

No quarto do rapaz do Reserva Parque Areião, um novo uso foi dado a um varão de cortina que foi adaptado para compor a cabeceira da cama, que é em couro. “Eu quis trazer inovação, sair do óbvio. As pessoas podem se apropriar de coisas e fazer uma releitura delas. Aqui foi tudo estudado, mas em casa as pessoas podem procurar adaptar algo que jogariam fora ou que não usam mais de outra maneira. Um varão é algo que se encontra em muitas residências”, explica a arquiteta, que também fez uma mesa suspensa com alça de ferro ao lado da cama. “O espaço é menor e queria leveza”, diz sobre o móvel.

Releitura de acabamentos 

(Foto: Elton Rocha)
Na área íntima do Reserva Parque Areião, a novidade acontece nos acabamentos do guarda-roupa. No quarto da garota, as portas do móvel só têm a convencional madeira como uma moldura. O miolo é todo preenchido com um traçado feito com linho, imitando a textura encontrada naquelas antigas cadeiras de balanço da casa da vovó.  “Quis fazer a apropriação de um elemento da casa dos avôs e bisavôs, que é um lugar que traz essa ideia de aconchego”, revela.

A mesma textura também virou revestimento no quarto do casal. “Usamos essa palha que é encontrada em cadeiras e pintamos de preto, para combinar com o ambiente e, ao mesmo tempo, dar um contraste sofisticado com a cabeceira em couro da cama e com uma luminária bem diferente, composta por uma enorme haste de cobre equipada com lâmpadas em led, que trazem uma iluminação direta sobre um dos lados da cama”, explica Anna Paula. 

Veja também