VIAGEM - 19/07/2019

Pesquisa aponta que 41% dos brasileiros desejam viajar ao espaço

Em comemoração ao aniversário de 50 anos do primeiro pouso lunar, trazemos 7 cidades ao redor do mundo para observar as estrelas nitidamente


Foto: Reprodução/Free-Photos/Pixabay

Após serem lançados ao espaço, em 16 de julho de 1969, os astronautas Neil Armstrong e Buzz Aldrin chegaram à Lua quatro dias mais tarde, em 20 de julho daquele ano. Marco para a humanidade, o 50º aniversário da chegada da Apollo 11 ao nosso satélite natural é um momento que pede deslumbramento e também está rodeado de mistérios: há quem diga que foi tudo uma fachada dos Estados Unidos. Tantos anos depois desse momento histórico, 40% dos viajantes do mundo inteiro ainda sonham com a possibilidade de viajar para o espaço no futuro.

Encomendada pela plataforma Booking.com, a pesquisa aponta que, no Brasil, 41% dos turistas estão ansiosos por um voltinha fora da Terra. No total, 21.500 pessoas foram entrevistadas, de 29 países diferentes. E enquanto a viagem para a Lua ainda não está disponível para quem não é um astronauta, o site recomenda sete destinos internacionais para observar as estrelas e se sentir no espaço. Confira abaixo!

Sutherland (África do Sul)

Foto: Divulgação/Booking

Sutherland abriga o maior telescópio óptico do hemisfério sul, e é o local perfeito para observar o céu à noite. O SALT (Grande Telescópio Sul Africano), localizado no Observatório Astronômico Sul Africano - Estação de Observação de Sutherland, registra as estrelas, galáxias e quasares distantes, um bilhão de vezes mais apagados do que aqueles que podem ser vistos a olho nu. O observatório também oferece passeios noturnos para o intrépido astrofísico que espera dar uma espiadinha no cosmos.

Àger (Espanha)

Foto: Divulgação/Booking.com

Com o céu mais claro da Catalunha, de acordo com o Mapa de Qualitat del Cel Nocturn da Catalunha, Montsec em Àger é o destino ideal para quem deseja se maravilhar com a beleza do céu à noite. O local foi declarado um Destino Turístico Starlight pela UNESCO, e as vilas substituíram a iluminação pública convencional por lâmpadas de sódio e LED com cor de âmbar para minimizar a poluição luminosa.

Fort Davis (EUA)

Foto: Divulgação/Booking

Localizado a mais de 1.500 metros acima do nível do mar, Fort Davis tem uma clara vantagem em relação ao restante do Texas para observar estrelas: sua altitude. A paisagem única, com amplos espaços abertos e formações rochosas, tornam este destino deslumbrante durante o dia e à noite. Um dos principais centros para pesquisa, ensino e educação pública do mundo está localizado no topo do Mount Locke: o McDonald Observatory, uma unidade de pesquisa da Universidade do Texas, em Austin. O McDonald Observatory realiza regularmente as Festas das Estrelas (Star Parties), que permitem que os viajantes façam passeios noturnos para observar as constelações e tenham vistas de objetos celestiais com o uso de diversos telescópios.

Falstone (Reino Unido)

Foto: Divulgação/Booking/Kevin Gutowski

Conhecido como um destino com o céu escuro, o parque Northumberland International Dark Sky é um ótimo local para observar estrelas. O The Stell, instalação arquitetônica localizada perto da vila de Falstone, está no coração do parque. O que à primeira vista pode parecer um aprisco de ovelhas é na verdade um lugar para sentar. Perfeito para os visitantes levarem seus cobertores, garrafas térmicas e binóculos e observarem o céu estrelado. O céu de Northumberland também permite ver a Aurora Boreal, o que normalmente só aconteceria em uma viagem para a Noruega, Islândia ou para o Círculo Polar Ártico.

Coonabarabran (Austrália)

Foto: Divulgação/Booking.com

Conhecida como a capital de astronomia da Austrália, Coonabarabran em Warrambungle Shire abriga o Siding Spring, primeiro observatório óptico e infravermelho do país. A uma curta distância de carro das Montanhas Warrumbungle, o observatório tem diversos telescópios, incluindo o famoso Telescópio Anglo-Australiano de 3,9 metros. Uma vez ao ano, ele também recebe a StarFest, uma série de eventos com palestras e momentos ao ar livre em um fim de semana prolongado de outubro.

Cabo Polonio (Uruguai)

Foto: Divulgação/Booking.com

Reconhecido localmente como o lar de hippies e pescadores, Cabo Polonio também é conhecido por ter o céu mais escuro e as estrelas mais brilhantes do litoral uruguaio. Embora esta pitoresca vila tenha crescido e hoje oferece lojas, hostels e restaurantes, ela ainda continua não usando a rede elétrica convencional. Algumas residências mais sofisticadas possuem eletricidade alimentada por energia solar, mas muitas casas são iluminadas à luz de velas, geralmente produzidas nas lojas locais. Ou seja, a poluição luminosa na região é particularmente baixa e ótima para observar as estrelas.

Wadi Rum (Jordânia)

Foto: Divulgação/Booking.com

Identificado como um dos destinos em potencial para 2019, Wadi Rum, também conhecido como Vale da Lua, atrai fãs do cosmos do mundo todo. Bem no coração do deserto da Jordânia, Wadi Rum proporciona aos visitantes o impressionante contraste das dunas douradas e luminosas durante o dia com o brilho das estrelas à noite.

Veja também