GASTRONOMIA - 12/12/2017

Cerveja goiana inicia exportação

Legitimamente goiana, Colombina chega ao mercado europeu tendo como principal diferencial a disseminação das especiarias e frutos exóticos do Cerrado Brasileiro


(Foto: Divulgação)

Desde que iniciou há quatro anos a produção da linha de cervejas artesanais Colombina, a Cervejaria Goyaz tem buscado marcar sua presença no mercado promovendo a exaltação de ingredientes característicos do Cerrado Brasileiro, ao conferir a receitas clássicas da bebida, o toque regional proporcionado pelos sabores e aromas únicos deste rico bioma. Dessa forma, a Cervejaria tem levantado a bandeira da preservação do Cerrado, ao exaltar as riquezas da sua diversificada flora, traduzidos pela utilização da cagaita, murici, pimenta bode, castanha de baru, baunilha do cerrado, pequi, dentre outros.

A Colombina tornou-se a primeira cerveja artesanal a ser produzida em solo goiano - estimulando o segmento a investir no surgimento de novos rótulos - e agora, em 2017, concretiza um novo e importante passo para a marca, ao levar para o mercado europeu os mais de dez estilos de cerveja produzidos. A cervejaria acaba de concretizar o processo de exportação de Colombina, embarcando para a Europa a primeira remessa da bebida, somando 6500 garrafas.

Com entrada pelo porto de Hamburgo, na Alemanha, a Colombina segue para a Áustria, de onde partirá para conquistar espaço na União Europeia. “Todos os passos que demos com a criação da Colombina nos levaram até este momento. Vivemos hoje a realização de um sonho. Ver nosso produto chegando a um mercado tão reconhecido de produção de cervejas é algo que muito nos orgulha”, afirma a diretora geral da cervejaria, Patrícia Mercês.

Padrão exportação
Durante todo esse ano, a cervejaria tem investido na preparação para apresentar a Colombina para o restante do mundo. Portanto, toda a fábrica se adaptou a regras técnicas exigidas no exterior e buscou junto ao Senai Alimentos e Bebidas consultoria necessária para se adaptar às normas internacionais de produção da cerveja.

Hoje, todas as cervejas que saem da fábrica atendem às boas práticas de exportação do produto, sejam elas para serem comercializadas no mercado nacional ou internacional. “Isso representa um salto de qualidade, que sempre buscamos imprimir em nosso trabalho, antes mesmo dele ser enviado para fora do país. Mas hoje, nos orgulhamos em oferecer a todos os nossos clientes, cervejas que atendem aos rigorosos critérios de exportação”, esclarece a diretora Patrícia Mercês.

Conforme explica o sommelier de cervejas da Colombina, Alberto Nascimento, a fábrica goiana está contribuindo para o processo de substituição de importação, tão importante para a evolução do setor industrial nacional. “Estamos comprando matéria prima europeia ao utilizarmos insumos importados na produção da cerveja, como os maltes, lúpulos e leveduras. E, em contrapartida, devolvendo para o mercado internacional um produto de maior valor agregado, elaborado com auxílio da tecnologia e mão de obra brasileiras. Isso é muito gratificante, esse processo inverso de produção, onde tomamos a dianteira de beneficiar as matérias primas e devolver ao país de origem dos insumos um produto beneficiado com qualidade”, explica Alberto Nascimento.

Veja também