NEWS - 27/09/2017

Canteiro de obras recebe palestra sobre Setembro Amarelo


Realizado desde 2015, o Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio com o objetivo de alertar as pessoas para a realidade do problema no Brasil e no mundo. A iniciativa é encabeçada pela ONG Centro de Valorização da Vida (CVV), o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). Dados oficiais da campanha mostram que por dia 32 brasileiros são vítimas de suicídio, taxa superior ao número de óbitos em decorrência da grande maioria dos tipos de câncer. Por outro lado, dados da Organização Mundial da Saúde, apontam que 9 em cada 10 casos de suicídio poderiam ser prevenidos.

E a prevenção é o objetivo de uma palestra que aconteceu na quarta-feira (27) para cerca de 130 colaboradores que trabalham na obra do Residencial Persona Bueno By Brasal, empreendimento da Brasal Incorporações. A empresa promove a ação em parceria com o Seconci-Goiás (Serviço Social da Indústria da Construção). A palestra, que será ministrada pela psicóloga Heloisa da Silva Pinto, também faz parte do Programa de Saúde Mental na Construção Civil do Seconci-Goiás, que surgiu após estudos da entidade perceberem uma eleva frequência dos quadros de ansiedade, transtornos de estresse pós-traumático e depressão na categoria de profissionais da construção civil.

Segundo a técnica de Segurança no trabalho da Brasal Incorporações, Kácia Gonçalves, esses quadros são registrados não só na construção civil, mas também em muitas ou outras áreas profissionais, e se não forem tratados podem evoluir para uma depressão grave, que é justamente o motivador de muitos casos de suicídio. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), de cada 100 pessoas com depressão, 15 delas decidem colocar fim a própria vida.

“Ações como essa em parceria com o Seconci, ajudam nossos colaboradores não só a ter uma rotina de trabalho mais tranquila e melhor, como uma vida psicológica e emocional mais saudável”, ressalta.

Um levantamento do Seconci-Goiás, elaborado a partir das avaliações comportamentais de operários feitas em 2015 durante entrevistas de admissão, constatou que 2% dos trabalhadores receberam contraindicação para exercer tarefas em grandes alturas. “O número parece pequeno, mas é significativo e preocupante, principalmente porque a frequência das causas está ligada também a descompensações emocionais”, diz Heloisa da Silva Pinto,  psicóloga e coordenadora do  Programa de Saúde Mental na Construção Civil do Seconci-Goiás.

Heloísa destaca ainda que as empresas do setor da construção civil já estão atentas ao problema da depressão, cujo sintomas estão entre os principais causas para o afastamento do trabalho em corporações de diversos setores. “Geralmente, o que é uma ansiedade não resolvida tende a se tornar uma depressão no futuro”, explica.

(Foto: Divulgação)

Veja também